Estudo revelou que centrais multimídia roubam a atenção do motorista

Os sistemas de multimídia atuais que são instalados nos carros vão desde um simples navegador até mesmo a leitura de mensagens de texto. O fato é que com o aumento da tecnologia, esses dispositivos têm se adaptado para agradar cada vez mais os motoristas, oferecendo conexão via wi-fi ou bluetooth, agenda telefônica, câmeras, navegação de GPS, leitores de mensagens de texto ou de vídeos, entre outras funcionalidades que já foram apontadas como altamente perigosas por distrair o motorista.

O perigo foi apontado por um estudo feito pela AAA (Associação Automobilística Americana) que pertence a segurança de trânsito dos Estados Unidos, e pela Universidade de Utah, também dos Estados Unidos.

O estudo contou com a avaliação de 30 modelos diferentes de carros com ano de fabricação de 2017 e que foram vendidos nos Estados Unidos. Ainda houve a participação de 120 voluntários que tinham idades entre 21 e 36 anos. Eles foram monitorados enquanto dirigiam e controlavam as centrais multimídia dos veículos avaliados.

Os pesquisadores orientaram os participantes a utilizarem as funcionalidades mais vistas nos veículos, como o comando de voz, as telas sensíveis ao toque e até mesmo as tecnologias que permitem a realização de chamadas dentro dos veículos. Outras funcionalidades também foram testadas, como a digitação de mensagens de texto, a programação de uma rota enquanto o motorista dirige e até mesmo a interferência do rádio na distração do motorista.

Segundo o estudo, a distração dos motoristas em relação aos sistemas de multimídia chega a ser de mais de 40 segundos. Os pesquisadores concluíram que os motoristas ficam visualmente e mentalmente distraídos quando realizam mais de uma tarefa, incluindo a principal que é dirigir. O estudo revelou que apenas 2 segundos em que o motorista tirar os olhos da direção são o suficiente para dobrar as chances de uma colisão.

Em relação aos veículos avaliados no estudo, os pesquisadores criaram uma classificação de alto grau de atenção do motorista para as centrais multimídia, onde 12 dos veículos entraram para a classificação. Dentre eles, o estudo destacou o Honda Civic Touring e o veículo Tesla Model S, como um dos carros com centrais multimídias mais perigosos.