Comissão Europeia, em Bruxelas, define critérios para a reabertura em toda a UE em três fases

Dentre as notícias da semana, destaca-se a de que a Comissão Europeia planeja aprovar nesta quarta-feira os critérios que devem orientar uma redução progressiva em três fases da situação de emergência causada pela pandemia de covid-19. O plano vem com um conjunto de diretrizes – para suspender os controles nas fronteiras, transporte, turismo e proteção ao consumidor – que visam garantir uma saída ordenada e evitar a debandada das medidas nacionais que ocorreram com o surto da mortal doença.

Entre os dois extremos, os países terão que passar, cada um no seu ritmo, pela chamada fase 1, talvez a mais desejada pelos cidadãos que foram submetidos a confinamento local ou nacional, mas provavelmente também a mais delicada, devido ao risco de uma recuperação no número de infecções. Essa fase, segundo o plano da Comissão, seria a que salvaria, pelo menos em parte, a estação turística de verão que se aproxima.

A passagem de uma fase para outra dependerá da própria avaliação de cada país. Mas o texto, uma comunicação sobre a restauração gradual e coordenada da liberdade de movimento, pede que a “coordenação seja aumentada” durante o processo de desescalonamento para evitar, entre outras coisas, gerar confusão entre os cidadãos e alimentar sua desconfiança.

A mobilidade entre Estados que estão na mesma fase, segundo a Comissão, deve ser praticamente ilimitada, desde que os protocolos de segurança sejam efetivamente aplicados em meios de transporte, aluguel de carros, embarcações de recreio, acomodações de qualquer tipo, atrações, exposições, etc.

O órgão da comunidade está convencido de que o setor de turismo poderá economizar parte de sua alta temporada. E recomenda que os Estados permitam a entrada e saída de viajantes de ou para países que estão na mesma fase epidemiológica. “O levantamento dos controles não deve limitar-se à proximidade geográfica dos Estados vizinhos”, salienta a Comissão. Bruxelas defende o restabelecimento das conexões aéreas entre países sem fronteira física, desde que estejam na mesma fase de descalcificação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *