Museu Postal em Londres é uma das mais novas atrações da cidade

Um museu de Londres está chamando a atenção, não somente dos moradores da cidade, mas também dos visitantes de outras regiões inglesas e dos estrangeiros. O interessante Museu Postal, é uma das novas atrações da capital inglesa. Esta  linha subterrânea  que estava abandonada, fica a 25 metros abaixo das ruas, onde mais de três milhões de carros rodam pela cidade, que há muito tempo apresenta um trânsito complicado. Esse problema existe há tantos anos, que no início do século passado a entrega das cartas já sofria atrasos, por conta do trânsito da cidade.

Londres já possuía diversos carros e carruagens em uma época em que semáforos não existiam. O departamento londrino dos Correios procurando solucionar essa questão, construiu uma estrada de ferro subterrânea para levar essas cartas. Esse serviço era realizado pelo período de 22 horas diárias e tinha várias estações.

O representante do museu declarou que a jornada de trabalho era intensa, pois o volume chegava a quatro milhões de cartas por dia, sendo enviadas ações judiciais, transações financeiras e as correspondências normais entre as pessoas. Todo esse trabalho era de extrema importância para a capital londrina.

O pequeno trem que levava somente as cartas, possui cerca de vinte metros de extensão e 1,5 metro de altura, sendo que não eram necessários grandes vagões, já que pessoas não eram transportadas por eles.

No caminho que é percorrido por esse trenzinho, o museu vai mostrando a história dessa linha ferroviária e também algumas outras curiosidades do local, já que essa rede guardou diversas preciosidades nacionais e foi utilizada como esconderijo, durante a Segunda Guerra Mundial.

Outra curiosidade que se descobre, é que apesar de ser proibido, os funcionários deixavam que parentes e amigos pegassem carona nesses trenzinhos, que levavam somente meia hora para atravessar a cidade.

Existe uma seção interativa dentro desse museu, em que os correios londrinos convidam os visitantes a serem carteiros por alguns momentos. Com os endereços nas cartas, é preciso acertar as correspondências no lugar certo. Quando se coloca a carta no local, o relógio começa a contar o tempo e o chão começa a tremer, para que a pessoa consiga entender as condições do local e como o carteiro precisava ser rápido.

Essa rede encerrou as suas atividades em 2003, quando os

e-mails substituíram a maioria das cartas. Aumentou também o envio de pacotes, que não cabiam dentro do pequeno trem.